|PAI|

Assim, em maiúsculas, dada a importância que tens na minha vida.

Não sendo filha única, sempre fui muito mimada por ti.

Sendo a filha mais nova, a mais “maria-rapaz”, a mais desastrada, a mais explosiva, sempre tive o apoio/protecção do “meu” pai.

Sendo pai de duas raparigas, sempre foste um pai muito protetor… Um pai muito presente, um pai muito “colaborante” [ao contrário da maior parte dos homens da tua geração], um pai muito carinhoso e rígido ao mesmo tempo, na medida certa.

Recordo o dia em que te vi chorar pela primeira vez… naquela manhã, uma parte de mim ficou completamente às escuras… senti-me completamente perdida pois percebi que a vida é frágil e que tu também tens os teus momentos de fraqueza.

Ainda hoje é o dia em que algumas pessoas se recordam de te ver passar na rua com a minha irmã pela mão e eu encarrapitada nas tuas costas. Ainda hoje há quem recorde de te ver passar 5 dias com uma bébé de três meses, sozinho, sem a mãe por perto… E saíste-te bem, ao que tudo indica :)

Tínhamos sempre receio que ficasses zangado, morria por dentro de cada vez que te via triste por qualquer asneira que eu tivesse feito [como aquela em que te fechei a porta de casa e que ficamos sem nos falar durante 5 dias]… Saber que ias ficar triste era a melhor “arma” para combater qualquer travessura.

Todos os anos, por este dia, recordo a manhã em que te acordamos para te dar um beijo e um cartão de Feliz Dia do Pai… Choraste pois achavas que não eras um bom pai. Não só és um bom pai, como és o melhor PAI do mundo! Assim, em maiúsculas.

20140319-095853.jpg

Feliz Dia do(s) Pai(s)

[este dia só fica completo com a presença da mãe... ela é o ponto de equilíbrio nesta história de amor... esta é uma das fotos que guardo com mais carinho pois soube que, por esta altura, eu teria já 3 meses de gestação... pelas vossas caras de cumplicidade, depreendo que fosse um momento feliz ;)]

|Levantar cedo|

nas minhas rotinas, levantar cedo sempre foi daquelas coisas que se instituíram há muito…

de férias, desempregada ou a trabalhar, a hora de levantar não varia muito. entre as 07h00 e as 08h00 já estou a pé [ao fim de semana é bem provável que esteja a caminho do sofá para ficar na "ronha"]

levantar cedo implica sempre pequeno-almoço em casa e nada como começar o dia com coisas deliciosas como esta:

Baked Blueberry oatmeal

Baked Blueberry oatmeal

Baked Blueberry oatmeal

Baked Blueberry oatmeal

Baked blueberry oatmeal

Baked blueberry oatmeal

Era isto e um dia de sol para a mesa 7, se faz favor!

[a esta hora não dá para preparar nada disto, mas irei experimentar de véspera]

|Azul|

Inspiração em tons de azul.

Azul-céu, azul-água, azul-mediterrâneo…

Azul é a cor dos dias bons, dos dias frescos, dos dias de calma e de “dolce fare niente”.

79ideas_add_blue_in_your_bedroom

79ideas_bedroom

79ideas_blue_bathroom

79ideas_blue_textile

79ideas_blue_windows_frame

79ideas_stunning_blue_wall

79ideas_the_sea_and_the_girl

79ideas_touch_of_indigo_on_your_table

 

Azul também é a cor dos dias fechados no escritório quando lá fora o céu está limpo, o sol brilha e o mar está apenas a 5km de distância.

Inspiração e fonte de energia para tardes que teimam em não passar…

|para o lanche|

às voltas no Pinterest encontrei uma imagem de um bolo que me fez parar, assinalar e clicar para saber mais….

um bolo simples, despretensioso, com uma mistura única de sabores…

Peanut Butter Chocolate Cake

Peanut Butter Chocolate Cake

a receita só apareceria no final do post…

até lá, algo que me fez parar para ler e pensar… quantas amizades já ficaram esquecidas no tempo? quantas amizades apenas subsistem graças ao mundo online? quantas amizades poderiam ser resgatadas com um copo de leite e uma fatia de bolo?

ao longo do tempo, algumas das minhas amigas foram ficando presas num passado já distante… o rumo que cada uma de nós seguiu encarregou-se de nos afastar e deixar apenas a memória de uma adolescência despreocupada e divertida, sem grandes planos para o futuro, apenas a viver do presente.

os dias passavam e as correrias entre a casa de uma e a casa de outra eram mais que muitas. um caminho que percorríamos quase desde os 6 anos de idade e que acabamos por o esquecer depois dos 18 anos.

não tínhamos telemóvel e ainda mal se usava a internet, mas sabíamos quando uma precisava da outra… sabíamos quando uma chegava a casa tarde e precisava de uma desculpa para os pais; sabíamos quando as coisas com o namorado da altura tinham corrido mal e uma estava a precisar de colo. simplesmente, sabíamos… sem mensagens, sem telefonemas ou sem estados do facebook.

um namoro mal resolvido, a entrada para a faculdade, uma nova residência levou a um afastamento que nunca mais teve volta. chegamos a encontrar-nos, uma ou outra vez, mas nunca mais foi a mesma coisa.

sei que a vida continuou para ambas, sei que novas vidas já preenchem as vossas vidas, sei que novos horizontes vos preenchem os dias e vos afastam das ruas que percorríamos em miúdas.

eu também já não percorro os mesmos caminhos, eu também tenho novos horizontes e uma nova vista que não a rua que partilhávamos.

mas não deixo de pensar se está tudo bem, não deixo de pensar no que mudou, não deixo de pensar que contornos têm agora as nossas personalidades.

não sei se, se ainda percorrêssemos as mesmas ruas, seríamos amigas… se conseguiríamos partilhar as diferenças que sempre nos caracterizaram… sei que penso muitas vezes que talvez precisem de mim como eu preciso de vocês… que talvez fosse bom voltar a estar perto e a partilhar um pouco da vida descontraída que tínhamos…

talvez fosse bom marcarmos um lanche lá em casa e sentarmos à mesa para falar dos últimos 14 anos.

13115967334_0ef93a0ec9_b

131Peanut Butter Chocolate Cake

qualquer dia pode ser que nos encontremos – nas ruas que percorremos na adolescência ou noutra rua qualquer – e que combinemos um lanche/um café ou que fique apenas pela troca de algumas palavras, de pé, junto à porta do carro ou à porta da casa de um alguém que ainda temos em comum.

qualquer dia pode ser que os nossos pensamentos se alinhem e que voltemos a adivinhar aquilo que faz falta a cada uma…

Peanut Butter Chocolate Cake

Peanut Butter Chocolate Cake

… ou talvez não, mas acho que ficaríamos a perder uma bela fatia de bolo…

|little venice|

A isto se chama juntar o melhor de dois mundos

Algures na cidade de Londres existe a casa dos meus sonhos.

[uma cidade cosmopolita, a cidade pela qual eu trocava o Porto e para onde me mudava de malas e bagagens]

uma cidade com os aromas e as texturas da bela Itália e o calor do mediterrâneo

daqui levava o sol, que nos chega em março e ficará até outubro… e levava as minhas pessoas e formávamos um bairro mediterrânico em plena Londres.

Little Venice | London

Little Venice | London

Little Venice | London

Little Venice | London

Little Venice | London

Little Venice | London

Little Venice | London

Little Venice | London

Little Venice | London

Little Venice | London

Little Venice | London

Little Venice | London

 

Créditos das imagens | Archilovers