|em jeito de bom dia|

IMG_1155.JPG

IMG_1152.JPG

O dia será longo e a noite não foi lá grande coisa. Nestes casos, quando se precisa de uma dose de motivação extra, quando se precisa de um apoio incondicional, os ensinamentos da minha mãe vêm ao de cima e refugio-me na comida, na alimentação, nas coisas boas que ajudam a animar o mais sorumbático dos seres.

Aprendi a gerir a minha “comfort food” de forma mais racional, procurando obter os mesmos efeitos que obteria com uma dose extra de chocolate.

Aprendi que a rotina de preparar um pequeno almoço de forma cuidada, com uma apresentação cuidada, não só acalmam o estômago como os caprichos da mente…

E depois de uma noite mal dormida, bem que precisava de acalmar alguns fantasmas, aqueles que me despertam nas noites de domingo para segunda, nas noites em que penso que deveria estar a dormir e apenas fico a ver as horas a passar…

Para começar o dia, poderia ter preparado uns crepes integrais com iogurte e pêssego. A receita foi tirada do Compassionate Cuisine, tendo sido sujeita a algumas adaptações (usei farinha de espelta em vez de farinha de trigo e preferi os pêssegos ao natural e não caramelizados).

Cá vai:

Crepes integrais com linhaça, servidos com pêssego e iogurte
Faz 4 crepes pequenos, serve 2 pessoas

5 colheres de sopa (75ml) de bebida vegetal (pode ser bebida de soja, amêndoa…)
1/3 chávena (80ml) de água
1,5 colheres de sopa de óleo vegetal não-refinado
½ chávena (60g) de farinha integral
1 colher de sopa de linhaça moídas + 3 colheres de sopa de água
1 colher de chá de adoçante líquido (como xarope de arroz)
1 pitada de sal

½ pêssego, cortado em fatias
½ colher de chá de xarope/geleia de arroz, ou outro adoçante líquido
½ colher de chá de óleo vegetal não-refinado
Iogurte natural vegetal – pode ser de soja

Misture bem todos os ingredientes numa taça. A massa, dentro do possível com farinha integral, deve fina, e quase líquida ser mais fácil espalhar na frigideira. Para alcançar essa consistência pode adicionar um pouco mais de bebida vegetal.
Leve ao frigorífico a massa durante 20 a 30 minutos. Enquanto a massa está a arrefecer, salteei ½ pêssego em fatias com 1 colher de chá de xarope (geleia) de arroz e 1 colher de chá de óleo vegetal não-refinado numa frigideira antiaderente durante 2 ou 3 minutos.
Aqueça uma frigideira antiaderente pequena em lume médio, e adicione 1 colher de chá de óleo, para evitar que a massa fique colada. Coloque uma colher de servir de massa, e espalhe-a pela superfície inferior da frigideira, agitando-a em movimentos suaves, para distribuir uniformemente. Deixe o crepe cozinhar cerca de 1 minuto, vire o crepe, e cozinhe mais 30 segundos ou até a massa ficar dourada de ambos os lados. Repita este processo com a restante massa.
Sirva os crepes com os pêssegos ligeiramente caramelizados, iogurte natural de soja e um cheirinho de canela.

 

O dia de hoje poderia ter começado com estes crepes [estes foram de ontem]… No entanto, fiquei-me pelas papas de aveia e fruta, que acabam por fazer um efeito semelhante.

|bem podes dizer adeus à teen que há em ti|

Claramente.

E para tal, bastou-me entrar numa loja para malta mais “teen” num final de tarde de domingo, em vésperas de início de época escolar.

Isso e a constatação factual das conversas no comboio:

Entre um grupo de miúdas que ainda nem chegaram aos vinte e são atletas de uma qualquer modalidade:

- A Xis* também faz parte da equipa?

- Sim, ela e uma amiga…

- Quem?

- Não é do nosso tempo… já é velha… tem, para aí, 32 anos

[Céus!!! 32 anos e já é velha!!! acho que vou ali cortar um pouco os pulsos e já volto]

|a minha estreia nisto dos desafios|

Apesar de estar nesta “casa” há alguns anos, sempre escrevi muito mais para mim e por mim, muito mais como um exercício narcisista, como um exercício mental e visual.
No entanto, e mais recentemente, tenho descoberto o lado fantástico da interação, de saber que esta alguém desse lado que acompanha as parvoíces que vou partilhando por cá, as minhas paixões, as minhas divagações, ou seja, um pouco daquilo que eu sou do lado de cá.
E tem sido uma sensação estranhamente boa ;) [aproveito para deixar o meu obrigado pela atenção de quem abre estas portas diariamente]

sem pretensões de algum dia me tornar blogger ou algo que o valha, sem pretensões a grandes divulgações ou estrelato…

E desta forma respondo pela primeira vez a um desafio lançado pela querida Mia, do Desabafos em Rodapé ;)

Cá vai:

1- O que você não sai de casa sem? [tomar banho seria sem dúvida, uma boa opção] claramente, sem telemóvel.

2- Qual seu animal favorito ? qualquer um que tenha mais de duas patas e menos de 6.

3- Qual seu sapato favorito? sabrina

4- Produto de maquilhagem indispensável? corrector de olheiras.

5- Qual seu maior sonho? viajar. muito, muito… (subscrevo inteiramente)

6- Qual o seu maior defeito? teimosia.

7- O que te irrita nas pessoas? a falta de respeito e de consideração.

8- Qual sua comida favorita? dentro do estilo italiano, facilmente sou feliz à mesa ;)

9- Doce ou salgado? Salgado

10- O que te deixa feliz? a rotina do dia a dia – saber que saio de casa para trabalhar e que regresso ao conforto da minha casa e das minhas pessoas.

e agora 5 blogues para dar seguimento:

A Vida de Rita

A Vida em ZÍ

Agora digo eu

Por Outras Palavras

Food With Meaning

[desde já as minhas desculpas por desafiar estas bloggers... apenas gosto de as acompanhar deste lado :)]

|só porque é 6ª feira|

dá sempre jeito um cocktail/bebida para descontrair

[não, não sou alcoólica, não bebo regularmente, nem sempre bebo quando saio... mas hoje, saber-me-ia particularmente bem algo assim]

MIXOLOGYCART016

MIXOLOGYCART019

MIXOLOGYCART0081

MIXOLOGYCART0121

MIXOLOGYCART0171

E porque o Gin está na moda, fica aqui a receita do Negroni:

• 40ml de Gin “City of London”
• 40ml de Vermute “Carpano Antica” (doce)
• 40ml Aperol

 

Prepração:

• Misturar todos os ingredientes num copo de cocktail com gelo e mexer por 30 segundos, no mínimo

• Em seguida, coar sobre novas pedras de gelo, colocadas num copo à moda antiga (só para o efeito visual)

• Decorar com uma casca de laranja

E está pronto a servir!

 

>> Créditos | Receita e Fotos | Designlovefest

 

 

|Floral inspiration – uma antevisão do Outono|

Gosto particularmente do outono.

gosto das folhas caídas, dos tons quentes, das manhãs frescas e dos dias soalheiros.

gosto dos cheiros e dos aromas, dos frutos da época, dos doces e das compotas.

gosto da delicadeza das plantas e da sofisticação das flores.

gosto de imagens assim, onde impera a beleza dos cenários, divinamente captada pela excelência de quem prime o obturador…

 

Fall-floral-wedding-inspiration-3

Fall-floral-wedding-inspiration-5

Fall-floral-wedding-inspiration-7

Fall-floral-wedding-inspiration-15

Fall-floral-wedding-inspiration-17

Fall-floral-wedding-inspiration-18

Fall-floral-wedding-inspiration-24

 

[ e os figos, o que eu gosto de figos!!!]

 

>> Créditos | Imagens | 100 Layer Cake

|Moleskine Digital|

A Moleskine acaba de lançar uma nova edição do seu famoso bloco de notas que transforma o que se escrever nas suas páginas num ficheiro digital. A funcionalidade pressupõe a utilização de uma caneta Livescribe, que se liga por Bluetooth a um equipamento iOS e permite que o que se escreve no caderno seja enviado em tempo real para uma app no dispositivo eletrónico. Os cadernos, já à venda nos EUA e brevemente na Europa, custam 29,95 €, a que se tem de acrescentar o preço da smartpen Livescibe (entre 150 e 200 € de acordo com o modelo)

 

Sou fã destes cadernos desde há imensos anos. Agendas, blocos pautados, quadriculados, lisos, capa dura, capa mole, edições especiais… tenho uma série deles lá por casa e outros há que vou usando no dia a dia.

Agora lançam uma versão digital… hummm… para quem gosta de escrever ou desenhar à mão, o resultado poderá ser óptimo. para quem, como eu, gosta do papel, gosta de pegar no lápis ou caneta, não estou a ver a despender assim tanto dinheiro para aderir à inovação. confesso-me um pouco céptica em relação ao sucesso deste produto…

Como é que faço para guardar pequenos papeis, recortes ou mesmo guardanapos sarrabiscados nas tardes de esplanada? aquele pequeno “pocket” dá sempre tanto jeito…